Weby shortcut
Marca da ASCOM
Logo da Universidade Federal de Goiás
Link Facebook
Link Twitter
Youtube

Passe livre para estudantes depende de aprovação do prefeito de Goiânia

Paulo Garcia (PT) tem até 9 de julho para sancionar ou vetar o projeto de lei.
Não foi definido quem bancaria os custos da isenção: governo ou empresas.

 Após tramitar na Câmara Municipal de Goiânia por três anos, a proposta que institui o passe livre para estudantes foi aprovada pelos vereadores no dia 15 deste mês. Para entrar em vigor, o projeto tem de ser sancionado pelo prefeito da capital, Paulo Garcia (PT), até o dia 9 de julho.

Caso seja aprovado, cerca de 120 mil estudantes em Goiás ficarão isentos do custo da passagem do transporte público, segundo dados de comissão do governo que estuda a proposta. Dentre os beneficiados estão estudantes do ensino médio, universitários e alunos de cursinho. Estudantes de pós-graduação não entram na lista pois já podem exercer uma profissão.

A discussão não é nova em Goiânia. A proposta tramitou na câmara de 2005 a 2008, quando o primeiro projeto que instituía o passe livre estudantil foi vetado pelo então prefeito Iris Rezende (PMDB).

Dúvidas
Muitos questionamentos já foram levantados sobre a viabilidade e legalidade do projeto. Uma das dúvidas é quem iria bancar o custo do passe livre estudantil. “Minha grande preocupação é que os outros usuários paguem essa passagem”, afirma o professor Marcos Rotem, da área de transportes do Instituto Federal Goiano (IFG). Até o momento, explica, não foram realizados estudos para saber de onde viriam recursos que compensariam o impacto da isenção dos estudantes.

De acordo com a autora do projeto, a vereadora Tatiana Lemos (PC do B), a proposta beneficiaria principalmente jovens de famílias de baixa renda. Ela acredita que quem deveria arcar com o custo são as empresas. “Não acho que deve desonerar mais impostos, pois onde isso acontece também tira impostos para outras áreas, como saúde e educação”, afirma.

Já para o professor, o governo deveria ser responsabilizado. “O empresário só investe através do lucro. A função de fazer trabalho social é do governo”, afirma. Porém, Rotem ressalta que isso deve ser feito com clareza, o que, na opinião dele, não acontece no caso do passe livre para outras categorias, como os idosos. “Quem paga é o passageiro de ônibus que, às vezes, é mais pobre que quem usa o benefício”, acredita.

Outro ponto questionado é que, se aprovado, o passe livre seria uma lei do município de Goiânia, mas alteraria o transporte coletivo da capital e também da região metropolitana. “Um município não pode legislar sobre toda a rede metropolitana de transporte coletivo” afirma o secretário da Casa Civil da prefeitura, Lívio Luciano.

Manifestações
Para o líder estudantil e estudante da Universidade Federal de Goiás (UFG) Iago Montalvão, o governo deveria dar prioridade ao tema já que o assunto está na pauta de reivindicações de manifestações que acontecem em Goiás e em todo o país. Para ele, o passe livre possibilitaria que o estudante se locomovesse para ambientes de cultura, formação e educação.

Fonte : G1 GO

Listar Todas Voltar